Temer critica 'gestos extremamente irresponsáveis' de 'gente disposta a desestabilizar o país'




O presidente Michel Temer criticou nesta segunda-feira (2), em evento em São Paulo, o que chamou de “gestos extremamente irresponsáveis” de “gente disposta a desestabilizar o país”. A declaração foi dada durante o Fórum Econômico Brasil-Países Árabes.
No discurso, Temer não especificou a quem estava se referindo. O emedebista não mencionou as prisões de seus amigos na Operação Skala, deflagrada na quinta-feira (29) pela Polícia Federal, e não citou as duas denúncias apresentadas contra ele pela Procuradoria Geral da República (PGR) em 2017. Ambas tiveram o prosseguimento barrado pela Câmara dos Deputados.
“Nesses quase dois anos de governo não foram poucos os embaraços e as oposições que nós sofremos, até gente disposta a desestabilizar o país com gestos extremamente irresponsáveis, que têm naturalmente repercussão internacional”, declarou o presidente.
“As pessoas que agem dessa maneira não se apercebem, ou seja, não sentem a brasilidade no seu coração, porque sabem que gestos desta natureza comprometem, criam problemas nos aspectos internacionais”, completou.
A operação Skala, que investiga irregularidades no setor de portos, resultou nas prisões temporárias de dois amigos do presidente – o advogado José Yunes, ex-assessor especial da Presidência da República, e João Baptista Lima Filho, coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo. Os dois e outros 8 investigados foram soltos no sábado (31) por decisão judicial.
A operação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, relator do inquérito que investiga se Temer, por meio de decreto, beneficiou empresas do setor portuário em troca de suposto recebimento de propina. O presidente nega qualquer irregularidade.
Mais cedo, em Brasília, na solenidade de posse dos novos ministros dos Transportes e da Saúde, Temer ressaltou que as liberdades individuais devem ser respeitadas.
"Queremos enfatizar o tema das liberdades individuais, do devido processo legal, da obediência estreitíssima aos termos da Constituição", afirmou.
De acordo com o blog do jornalista Valdo Cruz, colunista a operação Skala gerou no Palácio do Planalto um temor de que o presidente possa vir a ser alvo de uma terceira denúncia da PGR.
Já o colunista Gerson Camarotti informou que o governo aproveita a reforma ministerial em curso para garantir o apoio dos partidos da base parlamentar no Congresso Nacional, diante do receio de outra denúncia. Anteriormente, a ideia era vincular as mudanças no ministérios ao apoio dos partidos ao projeto de reeleição de Temer.

Intercâmbio comercial

No discurso durante o fórum em São Paulo, Temer ressaltou o crescimento do comércio do Brasil com os países árabes.
“Apenas no último ano, o comércio do Brasil com os países árabes deu um salto de 20%, chegando a US$ 20 bilhões de dólares", disse.
Temer relatou que o Mercosul negocia acordos de livre-comércio entre o bloco sul-americano (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) com Jordânia, Líbano, Marrocos e Tunísia.
Temer também abordou a imigração árabe em sua fala e lembrou que sua família veio do Líbano para o Brasil.
“Como filho de uma família de Btaaboura no Líbano, posso dar meu testemunho de quanto o Brasil tem significado para migrantes árabes e seus descendentes”, ressaltou.
O presidente declarou que a influência da imigração árabe é vista em campos como medicina, gastronomia, literatura, arquitetura, economica e política.
“Nosso país oferece uma calorosa acolhida a todos aqueles que buscam aqui um espaço de oportunidades para construir suas vidas. Em troca, nós todos recebemos aporte cultural dos mais ricos e valiosos", disse o presidente.


FONTE:G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário