Quadrilha que cruzava fronteiras com dólar e euro causou prejuízo de R$ 10 milhões por mês com fraudes fiscais, diz PF



A Polícia Federal informou nesta terça-feira (10) que a quadrilha desarticulada na operação 'Capilé' causava um prejuízo de R$ 10 milhões por mês aos cofres públicos com fraudes para obter os benefícios fiscais da Zona Franca de Manaus e da Área de Livre Comércio de Boa Vista.
Nesta manhã, a PF deflagrou a operação 'Capilé', que investiga crimes de corrupção, descaminho, câmbio ilegal, fiscal, lavagem de dinheiro e organização criminosa.
Vinte e nove mandados de busca e apreensão, oito de prisão e três de afastamento de função foram cumpridos em Roraima, no Amazonas, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Distrito Federal.
O delegado responsável pelo caso, Bernardo Abrahão, explicou que do total, dez mandados de busca e apreensão e três de prisão foram emitidos para serem cumpridos em Boa Vista e Pacaraima. Uma pessoa foi presa no estado e as outras duas estão foragidas.
"Algumas pessoas estão sendo ouvidas e indiciadas, outros ainda estão sendo procuradas", afirmou o delegado. Ele disse que não poderia informar quantos foram presos durante a ação em todo o país.
No Amazonas, foram cumpridos três mandados de afastamento de função sendo que um foi contra um servidor público da Secretaria da Fazenda do Amazonas e dois contra contadores.
Em Roraima, nenhum servidor público foi alvo de mandados, mas há servidores que estão sendo investigados. Eles ocupam cargos na Secretaria da Fazenda e Suframa.
Durante o cumprimento dos mandados foram apreendidos documentos, eletrônicos e mais de R$ 100 mil em dinheiro, máquina de contar dinheiro e outros itens. A quantidade exata de dinheiro ainda está sendo contabilizada, conforme Abrahão.
Segundo a PF, os presos em Roraima agiam como cambistas. Mandados em São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo visam empresários.
As investigações começaram em 2006 e, segundo a Polícia Federal, a quadrilha agia há pelo menos três anos atuando em duas vertentes: o câmbio ilegal e crimes fiscais que visavam os benefícios da Zona Franca de Manaus e Área de Livre Comércio em Boa Vista. Algumas pessoas agiam nas duas áreas


FONTE G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário