MP apura morte de três animais em três meses no Zoo de Brasília




Ministério Público do Distrito Federal abriu inquérito nesta terça-feira (3) para apurar a morte de três animais no Zoológico de Brasília desde janeiro – o elefante Babu, a girafa Yvelise e a adax Gaia
Segundo o MP, a ação vai apurar se houve "negligência, imprudência ou imperícia de agentes públicos" no manejo dos animais do zoo. Em notas enviadas  nos três casos, a direção do zoo sempre negou descuido ou maus tratos em relação aos bichos.
O inquérito é assinado pelo promotor de Defesa do Meio Ambiente Roberto Carlos Batista. No texto, ele afirma que a Polícia Civil já investiga a morte do elefante Babu, em janeiro, e que o próprio MP já estava apurando a morte da girafa Yvelise.
Agora, o órgão quer ouvir explicações do secretário de Meio Ambiente do DF e da própria direção do zoo. Os pedidos incluem os laudos da necropsia de cada animal, o nome dos funcionários envolvidos no manejo dessas espécies e as medidas que foram tomadas para proteger os bichos restantes, após cada caso.

Sequência de mortes

Gaia, a adax
A morte mais recente ocorreu no último dia 28. A adax fêmea Gaia tinha 2 anos e meio e fazia parte do programa de conservação da espécie. Após uma luxação na pata, ela se machucou durante o manejo, apresentou sintomas musculares e morreu após 16 horas de atendimento.
Atualmente, a espécie é considerada "em perigo crítico de extinção" – uma das categorias mais graves da classificação internacional da IUCN, à frente apenas de "extinto na natureza" e "extinto".
Com a morte de Gaia, o zoológico da capital federal tem, agora, dois machos e uma fêmea no plantel. Fora esses animais, o Brasil tem apenas outros dois adaxes machos, em São Paulo. Se não houver fêmeas em idade reprodutiva, o uso do sêmen preservado da espécie pode se tornar inviável.
Yvelise, a girafa
Quatro dias antes, em 24 de março, a girafa Yvelise, de 7 anos, morreu durante uma cirurgia veterinária. Segundo a instituição, a causa foi um distúrbio intestinal que provocou a torção do órgão e a necrose das células. O tempo médio de vida das girafas é de 15 a 20 anos.
O Zoológico explicou que a causa de tudo foi um "fecaloma na ampola retal" – uma massa volumosa e rígida de matéria fecal desidratada que fica parada na parte final do reto.
Babu, o elefante

Em janeiro, o elefante Babu, também mantido pelo Zoológico de Brasília, morreu aos 25 anos com uma parada cardiorrespiratória. O primeiro laudo da necrópsia apontou que a causa da morte foi uma inflamação no pâncreas.
No entanto, no dia 20 de fevereiro, o Zoo informou que investigava uma suspeita de envenenamento criminoso. A biópsia emitida pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) apontou a presença de substâncias tóxicas como chumbo, arsênio, mercúrio e elementos cumarínicos – composto químico altamente danoso aos animais – como causas da pancreatite aguda que matou Babu.
Até esta quarta (4), a suspeita não havia sido confirmada. As investigações são conduzidas pela Polícia Civil e pelo IBAMA, com auxílio do Ministério do Meio Ambiente. Segundo o diretor-presidente do Zoo, ainda faltam resultados de testes de capim e de solo, e de um exame toxicológico da Unesp.

FONTE:G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário