Julgamento de Lula no STF: grupo fura revista da PM e entra com fogos de artifício e mastros




O grupo contrário ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silvaconseguiu acessar a área reservada às manifestações em Brasília nesta quarta-feira (4) com fogos de artifício, apesar de a Secretaria de Segurança Pública ter anunciado a proibição desse tipo de produto.
Os manifestantes estouraram os fogos por volta das 14h50. Até a última atualização desta reportagem, a secretaria não havia respondido a razão do erro de segurança. Mastros de bandeiras, de diversos materiais, também foram levados para a área restrita.
Movimentos favoráveis e de oposição ao petista se reuniram no centro da capital durante o julgamento do habeas corpus de Lula no Supremo Tribunal Federal (STF).
Por volta das 18h, a Polícia Militar estimava a presença de 1,3 mil pessoas na Esplanada, dos dois lados. No auge da concentração dos grupos, por volta das 15h, a PM contabilizava público total de 4 mil manifestantes.
Segundo representantes do movimento Limpa Brasil, o ato contrário ao habeas corpus registrou "auge" de 6 mil pessoas, no meio da tarde. Por volta das 18h, o grupo estimava 2 mil pessoas nesta manifestação.
Ex-ministro de Dilma Rousseff e conselheiro de Lula, Gilberto Carvalho compareceu ao ato a favor do habeas corpus. Segundo ele, cerca de 7 mil pessoas passaram pela Esplanada para apoiar o ex-presidente.
Por volta das 19h00, conforme a ministra Rosa Weber dava sinais de que votaria pela rejeição do habeas corpus, o lado da Esplanada reservado para manifestantes favoráveis a Lula começou a esvaziar
Quando o teor do voto foi confirmado, pouco antes de 19h30, o ato foi encerrado "oficialmente" pelos organizadores. Enquanto isso, no protesto contrário ao habeas corpus, manifestantes voltaram a soltar fogos de artifício – uma conduta que, segundo a Polícia Militar, não seria permitida na área.

Mais falhas

Outra falha na revista policial se deu por volta das 13h, quando, apesar do isolamento, cerca de 10 pessoas da movimentação anti-Lula conseguiram furar o bloqueio que levava ao gramado do STF. "A gente veio descendo e ninguém falou nada”, disse uma das manifestantes. Ela afirmou não ter passado por revista policial.
Por volta das 13h40, a Polícia Militar pediu com calma para que o grupo saísse do gramado rumo aos ministérios, onde os protestos estarariam concentrados. "As pessoas foram identificadas e orientadas a se retirarem do local, o que foi respeitado", disse a SSP, por meio de nota. O grupo, porém, só saiu às 14h20

FONTE:G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário