UnB prevê demissão de 1,1 mil estagiários para conter déficit de R$ 92 milhões



Os 1,1 mil estagiários contratados pela Universidade de Brasília (UnB) podem ser demitidos a partir do dia 30 de abril por falta de verbas. Com previsão de um déficit orçamentário de R$ 92 milhões para o ano, a reitoria da UnB informou que a responsabilidade financeira sobre os contratos passará a ser das unidades acadêmicas – ou seja, de cada decanato ou departamento.
Na prática, a mudança na gestão dos contratos significa que o pagamento dos estagiários – até então feito pela administração central – será descentralizado. Assim, cada um terá de reservar um parcela do próprio orçamento para manter os aprendizes.
A recomendação da reitoria é que sejam mantidos apenas os contratos considerados "fundamentais".  aguardava entrevista com a decana de Planejamento e Orçamento da UnB, Denise Imbroisi, até a publicação desta reportagem.

O Diretório Central dos Estudantes (DCE) disse ao G1 que os estagiários chegaram a receber uma carta da reitoria informando que nenhum contrato seria renovado. "A reitoria sequer nos convidou para discutir isso. Os estagiários que nos procuraram para falar sobre a questão", explicou a coordenadora de comunicação, Ludmila Brasil.

Pacote de austeridade

O fim dos contratos de estágio é uma das três medidas que a universidade pretende adotar para economizar R$ 39,8 milhões. Outras duas são o aumento dos preços no Restaurante Universitário (RU) e a demissão de terceirizados.
Fechar as contas com segurança financeira é uma batalha que reitora Márcia Abrahão enfrenta desde o segundo ano de gestão. Em setembro de 2017, ela anunciou um déficit de quase R$ 100 milhões e disse que teria dificuldades para pagar serviços básicos, como os de limpeza.
Segundo a UnB, o custo de manutenção – que inclui limpeza, segurança, água, luz, manutenção de equipamentos e refeições no RU – deve atingir R$ 214 milhões em 2018. No entanto, o orçamento de custeio repassado pelo Ministério da Educação é de R$ 137 milhões, suficiente para 64% da despesa.
O Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub) que compreende os impactos do corte de verbas do governo federal, mas não concorda com as estratégias anunciadas pela UnB para tentar solucionar a questão.

“Um conjunto de gastos tem que ser revisto, como os de telefonia”, disse o coordenador-geral do Sintfub Rogério Marzola. “Passar uma parte da verba de investimento para verba de custeio, atrasar obras de reforma e ampliação. Porque não adianta ampliar se não puder manter.”
Neste mesmo sentido, a UnB informou que pretende aumentar a receita, com incremento de R$ 50,8 milhões, além de remanejamentos orçamentários. A forma como isso será feito, no entanto, não foi esclarecida.

RU mais caro


Fazer as refeições no RU pode significar uma economia expressiva no final do mês. Alunos estrangeiros, por exemplo, pagam R$ 1 para almoçar, e aqueles em situação de vulnerabilidade social comem de graça. Somente no semestre passado, a UnB concedeu 4,7 mil gratuidades.
Com as mudanças previstas para o dia 30 de abril, os preços cobrados pelo Restaurante Universitário podem subir. A reitoria prevê uma "rediscussão da política de subsídios" e chegou a propor aumento de 160%.
“Alimentação é uma forma de os alunos permaneceram na instituição. O trabalhador também, dentro do valor do tíquete”, disse o coordenador-geral do Sintfub . “Se tiram isso, tiram também as condições que materializam a comunidade dentro da universidade.”
Em agosto do ano passado, o restaurante passou por uma adaptação dos cardápios para evitar a demissão de terceirizados e o aumento no preço das refeições. A economia prevista era de R$ 3 milhões até dezembro.

No entanto, em janeiro de 2018 a reitoria mudou de estratégia, e vem tentando aumentar o preço unitário em 160%. Isso significa que o almoço e o jantar para a maior parte do público passariam de R$ 2,50 para R$ 6,50.
Veja como ficariam os preços:
  • Estudantes da assistência estudantil, com renda per capita de até 1,5 salário mínimo: gratuito
  • Estudantes da assistência estudantil, com renda familiar per capita entre 1,5 e 2 salários mínimos: café da manhã a R$ 2,10; almoço e jantar a R$ 3,90
  • Estudantes de graduação, pós-graduação e estagiários: café da manhã a R$ 3,50; almoço e jantar a R$ 6,50
  • Servidores, terceirizados e visitantes: café da manhã a R$ 7; almoço e jantar a R$ 13
Quase um mês após o início das aulas, os aumentos ainda não haviam sido votados porque um parecer do Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília suspendeu o processo. O pedido foi encaminhado no início de fevereiro à área jurídica da UnB, e não havia sido analisado até a publicação desta reportagem.
“A empresa atual fornece 11 mil refeições por dia e cobra R$ 13 por cada uma. Consideramos muito caro para os insumos utilizados", diz o representante dos servidores. "Como são muitas refeições, deveria haver como negociar preços mais baixos.”
Os preços cobrados no RU não passam por reajuste há 20 anos, segundo a UnB. No entanto, a inflação acumulada no período é de 351%, segundo o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M).

Corte de terceirizados


Ajustes em contratos de prestação de serviços também estão entre as previsões de contenção de gastos. A expectativa da UnB é de alcançar uma economia de R$ 25 milhões – segundo a reitoria, "não há nenhuma determinação sobre demissões".
A universidade não detalhou o percentual de cortes, os serviços que serão afetados ou o número de funcionários que podem, eventualmente, ser demitidos. O Sintfub, porém, afirma que a UnB manifestou intenção de reduzir em 55% o quadro de terceirizados

No ano passado, uma empresa terceirizada de serviços de limpeza demitiu 118 funcionários em razão de cortes no contrato com a UnB. “Não há como abrir mão da força de trabalho. Isso significa dizer que não vai ter limpeza, segurança.”
Uma forma de reduzir os gastos com as contratações sem cortar pessoal, sugere Marzola, é substituir itens embutidos no valor da licitação pela compra direta.
“Gasta-se R$ 600 mil por ano com detergente. Se a instituição puder comprar esse material por conta própria, não precisa pedir isso no contrato com a empresa.”


FONTE:G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário