Festival da Francofonia apresenta show de Cloé du Trèfle e festival de mímica no DF




As celebrações do Festival da Francofonia em Brasília serão encerradas, neste mês, com eventos como cinema, teatro de mímica, artes visuais, leitura cênica e música.
Até 27 de março, a Escola Francesa de Brasília receberá a Companhia Mangano-Massip, especializada em teatro de mímica. A dupla francesa, formada por Sara Mangano e Pierre-Yves Massip, se apresenta desde 2010 e já se apresentou em países com culturas diferentes, tais como China, Estados Unidos, Irã, Itália, Chile e Israel.
No Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), a Mostra de Cinema Francófono é gratuita e se estenderá até 31 de março. De comédia a romance, passando por drama e outros gêneros cinematográficos, a seleção apresenta um rico recorte da cultura francófona com representantes da Bélgica, Burkina Faso, do Canadá, da Costa do Marfim, França, Eslovênia, República Democrática do Congo, do Senegal e da Suíça.

No campo das artes visuais, a Aliança Francesa vai promover uma exposição com ilustrações de Béatrice Tanaka, de 22 de março a 15 de abril. A artista foi uma figura simbólica da literatura infanto-juvenil, como autora-ilustradora de mais de 40 livros – álbuns, contos, áudio-livros, livros de atividades, peças de teatro, ensaios, romances.

Leitura cênica

O Espaço Cultural Ernesto Silva da Aliança Francesa vai receber convidados em 23 de março, às 19h30, para a leitura cênica em francês da peça Captura de Imagem (Arrêt sur image), do dramaturgo togolês Gustave Akakpo. Nascido em 1974, Akakpo é escritor, ilustrador, artista plástico, ator e animador cultural. O coletivo “Na classe e em cena” – companhia de teatro da Universidade de Brasília (UnB) – pesquisa a obra dele desde 2010.

Para encerrar as celebrações da Francofonia, a multi-instrumentista, compositora e intérprete belga Cloé du Trèfle apresentará o álbum "Entre l'infime et l'infini" em duo com a violoncelista suíça Céline Chappuis, em 26 de março, no Teatro Sesc Silvio Barbato, no Setor Comercial Sul. A entrada é franca – basta retirar os ingressos na Aliança Francesa da Asa Sul, na 708 Sul.
"Especialmente na capital do país, a língua francesa constitui uma maneira de acessar o mundo de hoje, é uma ferramenta de comunicação, de reflexão e de criação que favorece a troca de experiências, a mobilidade acadêmica e de maneira geral, o diálogo intercultural”, disse o diretor da Aliança Francesa de Brasília, Matthieu Bernard.

fonte:g1 mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário