Universidade de Brasília terá disciplina sobre 'golpe de 2016'





Universidade de Brasília (UnB) vai oferecer uma disciplina sobre "o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil". As aulas do curso de ciência política começam no dia 5 de março, na retomada do semestre letivo.
Na ementa do curso orientado pelo professor Luis Felipe Miguel, a disciplina pretende analisar a "agenda de retrocesso" durante o governo do presidente Michel Temer. As aulas também têm o objetivo de entender os "elementos de fragilidade" do sistema político brasileiro, "que depuseram a presidente Dilma Rousseff". O programa da disciplina foi publicado nas redes sociais.
Ao decorrer de cinco módulos, os estudos vão discutir pontos – organizados em ordem cronológica–, desde o "golpe de 1964". O conteúdo pretende abordar, ainda, o debate sobre o "PT e o pacto lulista", "jornadas de junho" e, por último, o "governo ilegítimo e resistência".
Por e-mail,  procurou o professor Miguel para comentar a forma de avaliação dos alunos, mas ele disse que não comentaria o assunto.

Em uma publicação em seu próprio perfil, em uma rede social, Luis Miguel afirmou tratar-se de um "disciplina corriqueira", que não merece o "estardalhaço artificialmente criado sobre ela". "A única coisa que não é corriqueira é a situação atual do Brasil, sobre a qual a disciplina se debruçará", escreveu.

Liberdade de expressão

A reportagem também procurou a Universidade de Brasília para comentar o processo de escolha e aprovação das disciplinas ministradas. Por meio de nota a instituição afirma que a proposta de criação das matérias é de responsabilidade das unidades acadêmicas, que têm "autonomia para propor e aprovar conteúdos"
No texto, a UnB reiterou ainda, que tem "compromisso com a liberdade de expressão e opinião", considerados valores fundamentais para a universidade. "São espaços, por excelência, para o debate de ideias em um Estado democrático", diz nota enviada.

Modelo de avaliação

Já na ementa do curso, o professor diz que os trabalhos deverão incorporar as leituras indicadas para cada unidade. Além de trabalhos escritos, os alunos serão avaliados, ainda, a partir de provas orais.
"A avaliação dos trabalhos vai levar em conta a desenvoltura na utilização precisa dos principais conceitos das diferentes autoras, a visão crítica, diz o texto. Além da capacidade de realizar conexões com a realidade e o desenvolvimento de ideias próprias. O modelo de avaliação é comum em cursos da área das ciências humanas.
O professor Luis Felipe Miguel é doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), professor titular do Instituto de Ciência Política da UnB e pesquisador do CNPq. Foi vice-presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política, de 2013 a 2015.


FONTE:G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário