Motorista de empresa de ônibus que deixou 9 mortos em acidente na BR-020 fala de jornada excessiva



O vídeo de um motorista da empresa Expresso Guanabara – a mesma empresa do ônibus que bateu em duas carretas e provocou a morte de nove pessoas em um acidente na BR-020, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal – está circulando nas redes sociais e levanta polêmica sobre as causas do acidente. Nas imagens, Décio Ferreira, colega do motorista morto, reclama do atraso dos ônibus e de longas jornada de trabalho.
"A previsão desse carro aqui é para 21 horas e 30 minutos. E eu tenho que estar aqui uma hora antes. Eu estou desde 20 horas aqui esperando esse carro. Chegou agora quase uma hora da manhã. Eu vou pegar esse carro agora, vou dirigir oito horas pra Barreiras [Bahia]. Já vai fazer 14 horas que eu vou estar acordado", afirma ele na gravação.
A Expresso Guanabara garante que o atraso citado pelo motorista no vídeo foi pontual. Em nota, ela afirma que respeita as leis trabalhistas e que o motorista que gravou o vídeo continua trabalhando na empresa.
A lei que regula a jornada de trabalho dos motoristas permite oito horas seguidas ao volante, com possibilidade de prorrogação de mais duas horas. O tempo de descanso entre uma viagem e outra é de no mínimo 11 horas

O acidente desta quinta-feira (15) deixou nove mortos e 33 pessoas feridos. Edson Lopes Lima, que também morreu, assumiu o volante às 22h55 de quarta-feira (14), segundo a rodoviária da cidade de Barreiras, na Bahia. A estimativa é que o motorista estivesse dirigindo havia oito horas no momento do acidente.
A lei que regula a jornada de trabalho dos motoristas permite oito horas seguidas ao volante, com possibilidade de prorrogação de mais duas horas. O tempo de descanso entre uma viagem e outra é de no mínimo 11 horas.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motorista do ônibus – que partiu de Cajazeiras (PB) com destino a Goiânia – teria causado o acidente ao invadir a contramão. testemunhas disseram que ele fazia "zigue-zague" na pista, o que indicaria que ele pudesse ter dormido ao volante.

Outro acidente

Em fevereiro de 20165, outro ônibus da empresa Expresso Guanabara tombou no município de Campo Sales, a 493 km de Fortaleza. Na época, o Instituto Médico Legal (IML) da cidade de Juazeiro do Norte informou que duas pessoas haviam morrido no acidente.
Em nota, o Ministério Público do Trabalho do Ceará informou à TV Globo nesta sexta-feira (16) que está investigando se este acidente está relacionado com a jornada de trabalho. Já a Guanabara disse que os promotores já concluíram que não houve excesso de jornada de trabalho.

Multas

Em 2017, a Guanabara acumulou quase R$ 3 milhões em multas. A maior parte, R$1.411.282,44, aplicadas pela Polícia Rodoviária Federal, por embarque em local não autorizado. O restante, R$ 1.406.224,08, foram autuações da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). As infrações foram por prática não autorizada de valor de passagem. Apesar desses números, o chefe de fiscalização da ANTT, João Paulo Souza, afirmou que não há comprometimento da segurança operacional da empresa.
“A fiscalização não identifica problemas de segurança. Há de convir que essa empresa que opera a maior parte do nordeste do país, ela tem centenas de embarques dia, ou seja, relativamente está abaixo da média das empresas a quantidade e atrasos que a ouvidoria recebeu de reclamações”, disse Souza.
A empresa informou em nota que tanto os atrasos quanto as multas são pequenas perto da quantidade das mais de 125 mil que a Guanabara realiza por ano.


FONTE:G1 MUNDO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário