Cena repetida: alunos pegam fila de mais de 2 horas para revalidar Passe Livre no DF



A fila para conseguir atendimento no posto do DFTrans na Asa Sul dava meia-volta na praça da Galeria dos Estados na manhã desta terça-feira (20). O motivo principal: revalidação do Passe Livre Estudantil. A espera de cada aluno foi maior do que duas horas.
A partir das 7h30, estudantes e pais começaram a formar a fila debaixo de sol e, cerca de três horas depois, o aglomerado de pessoas chegava próximo à parada de ônibus do Eixo W. O DFTrans informou que não há falta de profissionais para atender à demanda.
"O posto da Galeria está com 24 guichês realizando atendimento aos estudantes. Além disso, existem funcionários nas filas fazendo triagem para agilizar o atendimento."
A analista e estudante de enfermagem Catia Cilene Farias, de 43 anos, disse que tentava revalidar o cartão estudantil há três dias. Ela afirmou que gasta cerca de R$ 10 todos os dias para frequentar as aulas.
"Estou com o cartão bloqueado desde o dia 5, quando voltaram as aulas. A faculdade diz que mandou no dia 4, mas, quando chego aqui, dizem que não mandou."
"Todo ano é isso."

 Sobre a situação, o DFTrans acrescentou que o posto abriu neste sábado (17) e domingo (18) para atender quem estava com dificuldade na revalidação do cartão. Segundo o órgão, cerca de 100 mil cartões de alunos da rede pública e 109 mil de estudantes do ensino particular estavam funcionando nesta segunda (19).

Basta passar o cartão duas vezes?

O DFTrans afirma que, caso o estudante não tenha recebido algum e-mail informando pendências para fazer a ativação, "basta que ele passe o cartão duas vezes na catraca do ônibus para que seja liberado"

No entanto, a estudante Ana Luisa Pimentel, de 21 anos, contou outra versão. Ela disse  que todo semestre tem de ir até o posto para revalidar o cartão. "Eles falam que resolvem tudo pela internet, mas é mentira. Todo vez venho aqui fazer a mesma coisa."
Além da revalidação automática, o DFTrans afirma que também é possível atualizar ou modificar dados cadastrais pela internet, "sem necessidade de ir ao posto de atendimento".
Apesar disso, funcionários do posto da Galeria dos Estados informaram aonesta terça-feira (20) que a maioria dos atendimentos referem-se a cartões vencidos e à troca de instituição de ensino.
A falta de informação ou a divergência do que é divulgado para os usuários do Passe Livre e o que é compartilhado entre os funcionários do DFTrans também afetou o estudante Gustavo Ruiz, de 21 anos.
Ele disse  tentou revalidar o cartão após o bloqueio de férias, mas foi impedido porque a instituição de ensino não teria enviado a relação de matriculados em tempo hábil. "A escola disse que enviou no dia 9 de fevereiro. No e-mail que recebi, o DFTrans diz que o prazo era até dia 15. Chego aqui e me dizem que era até o 5º dia útil."

Gustavo disse que gasta de R$ 10 a R$ 15 por dia para ir às aulas e que este é o terceiro ano que enfrenta problemas com o cartão. "Quando o cartão vence, todo ano é isso e não tem estrutura."
Diante dos casos de estudantes que tiveram de se deslocar – alguns mais de uma vez – até o posto do DFTrans para apresentar documentos que comprovem a matrícula em uma instituição de ensino, o órgão informou ao G1

 em nota que isso não deveria ocorrer.
"O aluno não precisa apresentar qualquer documento, declaração ou comprovação junto ao DFTrans para reativação do seu benefício. Somente a instituição de ensino poderá realizar o reconhecimento da matrícula do aluno diretamente com o DFTrans."

Recadastramento


Em entrevista em dezembro do ano passado, o diretor do DFTrans, Léo Carlos Cruz, afirmou que o recadastramento do passe na volta às aulas seria necessário somente se o estudante tivesse mudado de endereço residencial, de escola, faculdade ou curso.
Isto, porque a própria Secretaria de Educação enviaria a relação de matriculados de cada instituição ao DFTrans, sem que os estudantes precisassem confirmar o estudo regular. Nestes casos, o recadastramento pode ser feito pela internet.
No entanto, estudantes entrevistados pelo afirmam que "raramente" os documentos escaneados são aceitos como legíveis e, "quase sempre", é preciso ir até um posto do DFTrans para fazer a revalidação.
No caso dos estudantes de escolas particulares, a responsabilidade é das próprias instituições, que devem informar o calendário acadêmico ao DFTrans e enviar a lista atualizada de matriculados. "As instituições têm o prazo até dia 15/02/2018 para envio da relação dos seus estudantes ativos".
Caso a instituição tenha perdido o prazo, a situação só poderá ser regularizada "no início" de março.

FONTE:G1 MUNDO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário