Polícia identifica suspeito de matar doutorando da UnB; ele está foragido








Peças da bicicleta usada pelo doutorando da Universidade de Brasília, Arlon Fernando da Silva, de 29 anos, quando foi morto a facadas em dezembro do ano passado foram encontradas em uma casa no Itapoã, região administrativa do Distrito Federal.
Segundo a Polícia Civil, o suspeito do crime é Daniel de Sousa de Andrade, de 21 anos. A prisão preventiva dele foi decretada pela Justiça na madrugada desta terça-feira (16), mas o jovem está foragido. Andrade tem passagens por roubo e estava em prisão domiciliar.
A casa onde as partes da bike foram encontradas é de um amigo de Andrade que denunciou o crime. De acordo com o major Michelo Bueno, que fez a abordagem do amigo do suspeito às 16h desta segunda (15), ele havia comprado as peças por R$ 500 e desconhecia a origem dos produtos.
“[O suspeito] disse que tinha matado mesmo porque a pessoa havia reagido."
Segundo o major, quando o amigo soube que as peças eram da bicicleta do estudante da Unb, ele denunciou à policia

Para o delegado Rogério Henrique Oliveira, responsável pelas investigações, não há dúvidas de que Andrade tenha sido o responsável pela morte de Arlon Fernando da Silva.
“Testemunhas disseram que ele se vangloriava do crime e o amigo confirmou que havia comprado as peças remanescentes por R$ 500", afirmou o delegado.

Daniel de Sousa de Andrade pode pegar de 20 a 30 anos de prisão se for condenado pelo crime. Já a pena para o amigo, por receptação, varia de 1 a 4 anos. O amigo não tem passagens pela polícia.

Sobre as investigações, a Polícia Civil informou que ouviu cinco testemunhas e que "todas confirmaram" ter visto o mesmo homem usando a bicicleta de Arlon, orçada em R$ 4,2 mil – ele era o principal suspeito.
Já no dia seguinte ao crime, havia elementos robustos que indicavam o suspeito do crime, disse o delegado Oliveira. Em depoimento, Andrade mudou a versão duas vezes.






Primeiro disse que não havia estado nas proximidades do local do crime naquela noite. Depois, disse que estivera na área central de Brasília, mas só até a Torre de TV. “Ele acabou falando que tinha voltado de ônibus para o Itapoã por volta das 21h. Checamos todas as câmeras e verificamos que ele não entrou em nenhum ônibus."
“Foi vista uma bicicleta em altíssima velocidade em direção à Terceira Ponte, que seria a rota se fuga ideal após o crime.”

 Em outubro de 2015, Andrade foi preso em flagrante por um roubo semelhante. Na ocasião, ele tentou roubar a pauladas um militar do Exército em local próximo ao de onde Arlon morreu. Segundo o delegado Rogério Henrique Oliveira, o jovem se escondeu atrás de uma árvore e atacou o homem, que também estava de bicicleta, com um pedaço de pau.
A vítima atirou em defesa e o deteve até a chegada da polícia. Andrade foi preso em flagrante, ficou dois meses custodiado e saiu em liberdade provisória.
Em outro registro policial, Andrade aparece como suspeito de um roubo praticado contra um servidor do Tribunal de Justiça do DF.

fonte : g1 mundo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário