O processo seletivo poderá ser dispensado para os cargos de assessoramento e gerência, além dos casos de urgências, para atendimento a plantões extras e de sobreaviso, "caso não haja disponibilidade do pessoal próprio do IHBDF para garantir a completude de escalas específicas", diz o regulamento. De acordo com a pasta, o hospital tem 3.236 servidores. Desses, 1.941 optar por ficar e os servidores que não participaram da consulta (794) foram automaticamente classificados para continuar no Hospital de Base. Assim, 2.735 funcionários continuam a trabalhar na unidade. Compras e licitações Para contratar fornecedores, as regras do Instituto Hospital de Base não irão obedecer à Lei de Licitações. Para aquisição de materiais e a contratação de serviços, será feita uma seleção de fornecedores com regras parecidas, por meio da publicação de um ato convocatório, por exemplo, explicando o que vai ser contratado, como e por qual período. No entanto, a seleção pode ser dispensada no caso de contratos de baixo valor. Apesar das novas regras, todos os contratos continuarão a ser fiscalizados por órgãos controladores e tribunais de contas. O instituto O estatuto do Instituto Hospital de Base foi registrado em cartório no dia 18 de julho. Segundo o secretário de Saúde, a unidade terá portas abertas e qualidade 'nível Sarah'. Mas, diferentemente do que ocorre em outros hospitais-institutos, o Base ainda fará atendimento de emergência e pronto-socorro. Sindicatos são contra a mudança. Para a presidente do Sindicato de Empregados em Estabelecimentos de Saúde, Marli Rodrigues, mesmo com a mudança, "a população vai continuar sofrendo". "O Hospital de Base sempre operou acima da média. O que o governo esta fazendo é restringir e eleger quem vai ser atendido. De que adianta fazer instituto? Basta colocar o centro cirúrgico para funcionar."




Uma kombi pegou fogo e se transformou em uma bola “em chamas” em Taguatinga, no Distrito Federal . A situação parou o trânsito no fim da tarde de quinta-feira (12) na Elmo Serejo, sentido P Sul, próximo à estação Metropolitana do Metrô.
Quando as imagens foram feitas, o motorista já tinha abandonado o carro. O incêndio começou na parte onde fica o motor, e o fogo se alastrou rapidamente.
Em minutos, acabou com a traseira da kombi e já consumiu todo o carro ao ponto de deixá-lo irreconhecível.
Ninguém se feriu. Houve aglomeração de curiosos até a chegada dos bombeiros, que conseguiram apagar tudo. Não houve explosão, mas só sobrou a carcaça do veículo.

FONTE: G1 MUNDO

Comentários