Laudo do acidente que matou casal de idosos no Lago Norte mostra que carro estava a 140 Km/h



A Polícia Civil dos Distrito Federal divulgou nesta sexta-feira (26) as conclusões do laudo do Instituto de Criminalística sobre o atropelamento que matou os servidores públicos aposentados Evaldo Augusto da Silva, 75 anos, e Dulcineia Rosalino da Silva, 72, no Lago Norte, na última quinta (18). O casal fazia uma caminhada, na calçada, quando foi atingido pelo carro dirigido pela motorista Luciana Pupe, que continua internada em estado grave.
Segundo o documento, Luciana trafegava a 140 km/h no momento da colisão. A velocidade máxima da via é de 60 km/h. Os peritos concluíram que a causa determinante do acidente foi “a perda de controle do veículo Mitsubishi/ASX, por motivo que não foi possível precisar materialmente”.
O laudo também afirma que "o carro seguia pela pista no sentido Lago Norte quando colidiu com o meio-fio do lado direito, continuou pela ciclofaixa, bateu novamente no meio fio e subiu a calçada". O documento revela que, depois disso, o automóvel "seguiu com as rodas do lado direito na calçada e as do lado esquerdo ainda na ciclofaixa e andou por mais 60 metros até atropelar o casal".
De acordo com os peritos, "depois do atropelamento o carro tombou no asfalto e se arrastou por mais 7,5 metros". Mesmo com o laudo de criminalística, a Polícia Civil continuará investigando o caso porque ainda restam dúvidas, disse  a titular da 9ª Delegacia de Polícia, Mônica Loureiro

 Responsável pelo caso, a delegada explicou que aguarda autorização da Justiça para que sejam feitos o exame toxicológico e de alcoolemia, com o material biológico coletado da condutora no último sábado, para saber qual era o estado de saúde de Luciana Pupe e se os indícios de que ela teria tido uma crise de hipoglicemia, de fato, são verdadeiros.
Nesta semana, oito testemunhas foram ouvidas. Entre elas, o marido de Luciana Pupe. Ele disse à delegada que acredita que mulher teve uma crise glicêmica ao volante.

Boa motorista

De acordo com Mônica Loureiro, a polícia conseguiu ter acesso ao histórico de multas da motorista responsável pelo acidente. Os registros mostram que Luciana Pupe era uma boa condutora, afirmou a delegada.
“Ela tinha 0 ponto na carteira, o que demonstra que ela é muito cuidadosa no trânsito."
"Familiares também contaram que Luciana era muito preocupada ao volante”, disse a delegada-chefe da 9ª DP.

Estado de saúde continua grave

Luciana Pupe continua internada em estado grave. A delegada Mônica Loureiro explicou que uma equipe de policiais foi ao Hospital Santa Lúcia e recebeu a informação de que o protocolo de morte cerebral da paciente chegou a ser iniciado. No entanto, o cérebro de Luciana teria reagido e, por esse motivo, o procedimento foi suspenso.
Segundo a delegada, essa reação, na verdade, seria reflexo de um AVC que a motorista sofreu. Os médicos, contudo, não sabem dizer se o AVC ocorreu antes da colisão, minutos após a batida ou durante a internação na unidade de saúde.

Vítimas

O casal de idosos vítima do atropelamento fatal no Lago Norte havia voltado há apenas duas semanas de uma viagem na qual comemorou 50 anos de casamento. Evaldo Augusto da Silva e Dulcineia Rosalino da Silva participaram de um cruzeiro marítimo com cerca de 20 integrantes da família.

As vítimas frequentavam a Paróquia Nossa Senhora do Lago, na QI 3 do Lago Norte, localizada a 3km da casa onde moravam, e eram conhecidas por terem participação atuante na comunidade religiosa. Os dois nasceram no interior de Minas Gerais – ele, em Uberlândia; ela, em Araxá –, mas fizeram a vida em Brasília.

FONTE: G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário