Defesa de Maluf reitera pedido de prisão domiciliar e diz que ele não representa risco à sociedade; MP é contra






A  defesa de Paulo Maluf (PP-SP) reiterou nesta segunda-feira (15) um pedido à Justiça do Distrito Federal para que o deputado cumpra a pena em casa, em razão de "problemas graves de saúde".
No pedido, levado à Vara de Execuções Penais (VEP) de Brasília, os advogados argumentam que, com mais de 80 anos de idade, Maluf não representa risco para a sociedade se deixar a prisão.
Paulo Maluf foi condenado no ano passado a 7 anos e 9 meses de prisão, em regime inicialmente fechado, por lavagem de dinheiro. Em dezembro, se entregou à Polícia Federal em São Paulo e, levado a Brasília, foi alojado numa ala de idosos no presídio da Papuda.
"Há uma justificativa para manter na prisão um cidadão com 86 anos de idade acometido de doenças e que, segundo a acusação, teria praticado um crime há 18 anos e, após isso, não respondeu a nenhum tipo de processo? Ora, se a razão de ser e o ideal da pena é ressocializar e reinserir o cidadão na sociedade de modo que ele não pratique mais crimes, o objetivo estaria plenamente alcançado e satisfeito", diz o pedido da defesa.
Em dezembro, o juiz responsável pela execução da pena, Bruno Aielo Macacari, negou um primeiro pedido da defesa, mais urgente, de prisão domiciliar.
Na ocasião, ele levou em conta informações preliminares prestadas pela Papuda sobre a estrutura oferecida no presídio.
Desde então, foram colhidas novas manifestações do presídio, do Instituto Médico Legal (IML) e do Ministério Público sobre as condições de Maluf ficar na Papuda.
Todos os órgãos se manifestaram em favor de manter o deputado na cadeia. O IML, por exemplo, afirma que, mesmo com a doença grave de Maluf, o presídio tem condições de atendê-lO

Decisão definitiva

A decisão definitiva caberá novamente a Macacari, o que pode acontecer ainda nesta semana.
Os advogados de Maluf pedem a "prisão domiciliar humanitária" em razão de diversos problemas de saúde: um câncer de próstata, hérnia de disco, problemas cardíacos e movimentos limitados.
A defesa também alega que a Papuda não tem condições de prestar socorro rápido ao deputado em caso de urgências e que a situação dele é "gravíssima"


FONTE: G1 MUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário