Juiz converte para preventiva prisão de policial suspeito de usar arma da corporação para roubar celulares no DF

Justiça de Brasília converteu para preventiva – por tempo indeterminado – a prisão do policial civil Márcio Gonçalves Dias, detido na última quarta-feira (27) suspeito de roubo. A investigação aponta que ele usava arma da corporação e uniforme durante os crimes, cometidos contra pedestres no Recanto das Emas. A audiência de custódia aconteceu nesta sexta.
Dias está na Polícia Civil há 22 anos. Ele foi localizado após um morador da região denunciar que havia sido roubado por três homens que estavam em um carro preto e vestiam uniformes da Polícia Civil. Todos seguem presos.
No veículo, a Polícia Militar – responsável pela prisão dos suspeitos – encontrou o celular da vítima, além de outros aparelhos telefônicos. Uma arma da Polícia Civil e uma de brinquedo também estavam no interior do automóvel.
A TV Globo procurou o advogado do policial, mas ele não quis gravar entrevista. A Direção da Polícia Civil afirmou que a corregedoria da instituição vai apurar o caso com "total isenção". O agente vai responder ao código disciplinar e criminalmente.
Além do policial, um dos detidos é dono de uma loja de celulares e o outro é proprietário de uma academia. Os suspeitos foram levados para a 27ª Delegacia de Polícia, no Recanto das Emas.

Segundo a Polícia Militar, depois do crime, o agente e os outros homens "orientavam" as vítimas a buscarem os celulares na delegacia da região. O salário-base do policial civil é R$ 13,7 mil.
Em nota, a Polícia Civil afirmou que os detidos também teriam roubado outras duas pessoas na Estrutural há 15 dias. As vítimas prestaram depoimento e reconheceram os suspeitos e o carro usado durante os crimes.



Nenhum comentário:

Postar um comentário