Vacinação contra febre aftosa no DF tem como foco 91 mil bois e búfalos

Distrito Federal pretende vacinar 91 mil bois e búfalos contra febre aftosa a partir desta quarta-feira (1º), quando começa a campanha de vacinação contra a doença em todo o território nacional. De acordo com a Secretaria de Agricultura, a etapa que envolve animais de até 24 meses termina em 30 de novembro. Atualmente, a capital do país tem selo de qualidade internacional que a reconhece como zona livre de febre aftosa.
A compra e a aplicação das vacinas é responsabilidade dos proprietários dos animais. Depois de fazer a imunização, eles devem comunicar o governo – via web ou pessoal – por meio da Declaração do Criador. O prazo é 11 de dezembro. Os formulários estão disponíveis nos escritórios da secretaria, no site da pasta e nas revendedoras de vacinas.

De acordo com o GDF, é preciso informar a quantidade de animais existentes e vacinados, além de sexo e idade de cada um, e enviar a nota fiscal da compra da imunização. Declarações inadequadas podem gerar notificações, multas e impossibilidade de emitir a guia de trânsito animal.
"Aqueles que estiverem irregulares recebem comunicado de auto de infração nos endereços cadastrados. Recebido o aviso, o produtor pode recorrer. Se o recurso for negado ou não apresentado, a multa, que depende do tipo de infração, passa a valer", informou a Secretaria de Agricultura.
Ao todo, o DF tem quase 3 mil propriedades com animais para serem vacinados. Apesar de não matar, a febre aftosa representa muitos prejuízos à produção agropecuária e impede a exportação da carne.

Zona livre

Em 1998, o Brasil recebeu o primeiro reconhecimento de zona livre de febre aftosa, obtido com a vacinação em massa nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O DF alcançou esse status no ano 2000. O último caso registrado da doença na região foi em 1993.

A doença

A febre aftosa é uma doença viral, contagiosa, que afeta animais de casco com fenda, como bois, búfalos, cabras, ovelhas e porcos. Os principais sintomas são febre alta, úlceras na boca, nas patas e nas tetas, além da perda de apetite e outros sintomas.
Devido à doença, ocorre diminuição na produção leiteira, além da perda de peso, o retardo do crescimento e pouca eficiência reprodutiva. Em caso de observar esses sintomas, o produtor tem de comunicar imediatamente à defesa agropecuária.

Escritórios da Secretaria da Agricultura



Asa Norte: Parque Estação Biológica – Edifício-Sede
Brazlândia: Setor Tradicional, Quadra 24, Casa 3
Gama: Quadra 1, Lote 14/24, Comercial Norte
Planaltina: Avenida Independência, Quadra 2, Bloco B, Área Central, Setor Comercial
Sobradinho: Quadra 8, Área Especial 3
Rio Preto (Planaltina): Sede do Núcleo Rural Rio Preto
São Sebastião: Escritório da Emater na Avenida Comercial, Lote 8 (somente nas manhãs de quarta-feira)


Nenhum comentário:

Postar um comentário