Polícia faz operação contra explosões de caixa eletrônico que ligam DF a Bangu

Polícia Civil do Distrito Federal cumpre nesta sexta-feira (20) dez mandados de busca e apreensão e nove de prisão temporária durante uma operação contra um grupo especializado em explosão de caixas eletrônicos. Segundo as investigações, dois dos alvos já estão presos em Bangu, no Rio de Janeiro, e davam instruções para os outros suspeitos pelo telefone.
A ação ocorre em Samambaia, Riacho Fundo e Recanto das Emas. Ela é batizada de “Fire” (fogo em inglês) porque os investigados usavam maçaricos para destruir os caixas eletrônicos. Até as 7h30, dois mandados de prisão ainda faltavam ser cumpridos.
De acordo com a polícia, só em abril, foram três caixas: um prejuízo de R$ 101 mil. Câmeras de segurança de uma agência do Sudoeste, onde foram levados R$ 26,3, mil mostram que eles contavam com um olheiro do lado de fora para dar o alarme caso alguém apareça.
Fora o Sudoeste, houve roubos também no Setor Hospitalar Sul e no SIA. Nos três casos, a fuga ocorreu em um carro vermelho.

O método maçarico com pé de cabra foi importado de Joinville, em Santa Catarina, de onde são dois comparsas que já estão presos. Eles estão em Bangu porque também participaram de roubos a caixas por lá.
A polícia interceptou um diálogo entre Bangu e Brasília pelo telefone. De um lado está Edson Brito Reis, do Riacho Fundo II, pede conselhos ao catarinense Kaio Vogel. Ele pergunta se Vogel tinha visto a mensagem que mandou sobre como tirar tinta da nota, deixada quando o caixa é arrombado.
BSB - Edson Reis: Como tirar tinta das notas, mano?
RJ - Kaio Vogel: Como tirar tinta das nota?
BSB: É. Tá bastante.
RJ: Mas tem bastante nota?
BSB: Tem…
RJ: Vou ver ali no desenrolar como é que faz...
Os nove vão responder pelo crime de furto qualificado pelo arrombamento e associação criminosa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário