Professor de física e atiradores explicam disparo que matou um soldado do Estado Islâmico a 3,5 km de distância

um atirador de elite do Canadá alcançou um feito inédito no mês passado: a uma distância de 3,5 quilômetros, ele acertou e matou um combatente do Estado Islâmico no Iraque. Trata-se do tiro mortal de maior distância já confirmado, segundo informações do Comando de Forças Especiais do Canadá. O recorde foi batido em maio, mas só foi confirmado na última quinta-feira (22) pelo exército do país ao jornal canadense "Globe and Mail". As explicações por trás de um evento como esses, porém, já são amplamente conhecidas pelos estudos de uma das áreas da física ensinadas no ensino médio: a balística.
Para ajudar a explicar esse fenômeno e os detalhes por trás do tiro, que já ganhou fama mundial, o G1 ouviu o professor Ronaldo Carrilho, supervisor das aulas de física do Anglo Vestibulares, e cinco especialistas militares brasileiros.
De acordo com os especialistas, um tiro a essa distância é possível, mas as probabilidades de sucesso são baixas e exigiriam também, além de cálculos matemáticos e de física, uma certa dose de sorte.

Lançamento oblíquo

De acordo com Carrilho, que é autor do material didático de física do Sistema Anglo, esse evento representa um típico caso de lançamento oblíquo. Embora a velocidade da bala dê a impressão, a olho nu, de que sua trajetória está em linha reta, na verdade o cano da arma precisa ser apontado para um ponto acima do alvo, para que a bala o acerte. "Não adianta, por exemplo, você alinhar o cano da arma com o alvo. Você precisa atirar para cima do que você está vendo no alvo. É como todo mundo que já brincou de lançar dardo ao alvo: com habilidade, você percebe que não pode ficar jogando muito onde de fato está olhando, você joga o dardo para cima para depois ele descer e cair onde você quer."
Veja abaixo um esquema de como os conhecimentos de balística podem ser aplicados para explicar a ciência por trás do tiro, e entenda o que representa a distância de 3,5 quilômetros:

Nenhum comentário:

Postar um comentário